top of page

Refúgio no Litoral: população em Capão da Canoa quase quadriplica desde o início das enchentes no RS

Prefeitura do município estima ter recebido mais de 200 mil pessoas no período, sendo 2 mil em abrigos; maioria saiu de Canoas. Muitos chegaram sem documentos e cartão do SUS.

Por Jonas Campos, RBS TV e g1 RS


A cidade de Capão da Canoa, no Litoral Norte do Rio Grande do Sul, registrou crescimento exponencial de pessoas no município desde o início das enchentes no estado. A cidade, que fica a 150 km da capital Porto Alegre, serve de refúgio para os milhares de afetados que deixaram suas casas por conta das inundações no estado.


De acordo com estimativa da prefeitura, a população de Capão da Canoa passou de 80 mil para mais de 300 mil, o que representa quase quatro vezes vezes, em plena baixa temporada na região do litoral.


A maioria dos desabrigados saiu de Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre, uma das cidades mais atingidas pelas cheias, e foi para casa ou apartamentos de familiares. Muitos chegaram sem documentos e cartão do SUS.


Conforme estimativa da Secretaria de Cidadania, Trabalho e Ação Comunitária, aproximadamente 2 mil se abrigaram no Ginásio Escola Leopoldina. Destes, cerca de 500 precisaram consultar um clínico geral, além de receber atendimento psicológico.

"A gente percebe procura nos postos de atendimento dos bairros, hospitais, pessoas pedindo vagas nas escolas. Sinal de pessoas querendo ficar. Vieram não só para se refugiar, mas permanecer no município. Algo inesperado. Essa preocupação já surgiu. Estamos engajados para montar uma estratégia na saúde e educação", explica Renata Klein, Secretária de Cidadania.


Nesta terça, chegou a 148 o número de vítimas dos temporais e enchentes que assolam o estado desde o final de abril. O boletim da Defesa Civil ainda contabiliza 124 desaparecidos e 806 feridos. O número de pessoas fora de casa é de 615,4 mil. No total, 76,8 mil estão em abrigos e 538,5 mil estão desalojados (em casa de amigos e parentes).


Reflexos no comércio


O crescimento populacional reflete também na demanda da cidade. De acordo com o presidente da Associação Comercial Industrial de Capão da Canoa e Xangri-Lá, Augusto Roesler, o consumo de água aumentou em 70%; de combustível e supermercado, 50%; e restaurantes, 100%. Há relatos de prateleiras vazias, mas não há casos confirmados de desabastecimento.


"Pedir um fast food fora de temporada leva 30 ou 40 minutos. Hoje, durante esta situação caótica, está levando 2h30, 3 horas pra pedir um pizza, por exemplo", afirma Augusto.

O 'boom' populacional em Capão da Canoa gera reflexos também na saúde pública. O secretário da pasta, Tiarlin Abling, ressalta a preocupação do município especialmente com uma eventual falta de medicamentos.


"Preocupa não só a questão de medicamentos de responsabilidade do estado, mas os medicamentos básicos. Nossos fornecedores foram atingidos. Prefeito tem feito contato para ver de que forma vamos resolver isso e não colapsar e faltar insumos. Não conseguimos ter uma dimensão de até quando vamos manter este espaço, estes voluntários e a farmácia abastecida", declara.


A segurança pública foi outro ponto que mereceu atenção das autoridades. Na segunda-feira (13), policiais civis chegaram a Capão da Canoa para dar suporte e reforçar o efetivo na região.


"Acredito que Capão é uma cidade servindo de referência aqui no litoral. Quando começou não tinha cartilha, nem como iniciar, nem orientação. Tivemos alguns erros no início, fomos acertando com o decorrer do tempo. Hoje, é o (município) mais procurado e organizado", complementa a secretária Renata Klein.




1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page