Como o cooperativismo gaúcho conseguiu crescer na economia retraída de 2020

Cooperativas atingiram R$ 2,9 bi em sobras, diz sistema Ocergs-Sescoop/RS

O cooperativismo é considerado pela Organização das Nações Unidas (ONU) como um catalisador de desenvolvimento socialmente inclusivo. Isso porque tem capacidade de fortalecer comunidades por meio de empregos e geração de renda. Em tempos de Covid-19, com um cenário de retração econômica, o modelo se mostra ainda mais eficaz, uma vez que continuou crescendo e contratando pessoas.

Hoje, no País, existem 17 milhões de cooperados. As informações do Anuário do Cooperativismo Brasileiro 2021 – que apresenta números referentes a 2020 – também apontam que o setor empregou mais de 455 mil pessoas (crescimento de 6% em comparação ao ano anterior) e injetou nos cofres públicos mais de R$ 13 bilhões em tributos (alta de 19%).

Para o gerente de Promoção Social do Sescoop/RS, José Zigomar Vieira dos Santos, a ajuda mútua e a autogestão, intrínsecas no DNA do modelo, são os principais motivos para o sucesso do cooperativismo mesmo em contextos adversos. De acordo com ele, as pessoas são valorizadas pelo que são e não pelo que têm.

O programa nacional Dia C (Dia de Cooperar), por exemplo, é uma iniciativa promovida pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) que marca presença no Rio Grande do Sul desde 2015. O objetivo é desenvolver e divulgar ações de responsabilidade social realizadas pelas cooperativas ao longo do ano, colocando em prática os valores e princípios cooperativistas, por meio de ações voluntárias.

– Em 2020, o programa focou em iniciativas de arrecadação de alimentos para ajudar no combate à fome no Rio Grande do Sul. Mais de 8,5 mil voluntários de cooperativas gaúchas levaram atendimento para mais de 430 mil pessoas – ressalta Santos.

Outro projeto que vale destaque é o Marmita Coop, que integra o Dia C. Aqui, os voluntários são empregados do Sistema Ocergs-Sescoop/RS e a proposta é arrecadar alimentos para comunidades em situação de risco social. De forma geral, são distribuídas marmitas e cestas básicas, além de roupas, calçados, brinquedos e produtos de higiene.

– Desde a primeira edição, o grupo já distribuiu mais de 1,5 tonelada de alimentos – aponta o especialista.

O Sistema Ocergs-Sescoop/RS pretende continuar com as ações sociais no futuro, pois, além de melhorar a vida das pessoas e comunidades, é uma oportunidade de praticar os princípios e valores universais que norteiam os empreendimentos cooperativos.


Fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/economia/conteudo-publicitario/2021/11/como-o-cooperativismo-gaucho-conseguiu-crescer-na-economia-retraida-de-2020-ckw40rgcn00f7014cve7aaw3j.html

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo